Sismo e tsunami de Celebes de 2018

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Gnome globe current event.svg
Este artigo ou seção é sobre um desastre recente ou atualmente em curso.
A informação apresentada pode mudar com frequência. Não adicione especulações, nem texto sem referência a fontes confiáveis. (editado pela última vez em 18 de outubro de 2018)
FireIcon.svg
Sismo e tsunami de Celebes de 2018
Localização do epicentro e intensidade do sismo.
Epicentro 0° 17' 0.178" S 119° 84' 119.840" E{{#coordinates:}}: longitude inválida
Profundidade 10,0
Magnitude 7,5 MW
Data 28 de setembro de 2018, 18:02:43 hora local
Zonas atingidas Indonésia
Vítimas 2,088 mortos confirmados,[1] 10,679 feridos e mais de 5,000 desaparecidos[2].

Um sismo seguido de tsunami atingiu a Ilha Celebes, na Indonésia, no dia 28 de setembro de 2018,[1][3] com seu epicentro localizado na região montanhosa de Donggala, Península Minahassa, região de Celebes Central. O terremoto foi localizado a 77 km da capital da província, Palu, e foi sentido tão longe quanto Samarinda, no leste de Kalimantan, e também em Tawau, na Malásia. Este evento foi precedido por uma sequência de tremores, o maior dos quais foi um tremor de magnitude 6,1 que ocorreu mais cedo naquele dia.

Após o tremor principal, um alerta de tsunami foi emitido para o Estreito de Macáçar, mas foi cancelado uma hora depois. No entanto, um tsunami localizado atingiu mais tarde a cidade de Palu,[4] varrendo casas e edifícios em terra. Foram confirmados 1558 mortos[5] e 799 feridos .[1] Mais de 48 mil ficaram desabrigados.[6] A Agência Meteorológica, Climatológica e Geofísica da Indonésia confirmou que um tsunami havia sido disparado com sua altura atingindo um máximo estimado de 4 a 6 metros, para os assentamentos de Palu, Donggala e Mamuju ao longo de seu caminho.[1][3]

Localização tectónica

Celebes está dentro da complexa zona de interação entre as placas australiana, pacífica, filipina e de Sonda, na qual muitas pequenas microplacas estão localizadas.[7][8] A principal estrutura ativa em terra do norte de Celebes é a falha lateral esquerda NNW-SSE de tendência de deslizamento de Palu-Koro que forma a fronteira entre os blocos de Sula do Norte e Macáçar.[9][4]

Sismo

Tremores iniciais

Mapa do sismo de Celebes.

O tremor principal foi precedido por uma sequência de tremores menores começando cerca de três horas antes com um evento 6.1 Mw, seguido por vários outros, todos localizados na área imediatamente ao sul do epicentro principal.[10]

O primeiro tremor ocorreu às 15:00, hora local. O terremoto atingiu uma profundidade de 10 km com uma magnitude de 5,9 ML (BMKG). O Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS) registrou o tamanho do terremoto de 6,1 Mw. Forte agitação foi sentida em Donggala. Pelo menos uma pessoa foi morta por detritos caídos enquanto 10 outras pessoas ficaram feridas. Autoridades confirmaram que dezenas de estruturas foram danificadas ou destruídas no terremoto.[11]

Tremor principal

A magnitude do tremor principal foi inicialmente relatada como M7.7 pelo USGS e pelo BMKG. O USGS posteriormente revisou sua estimativa para M7.5 e o BMKG indonésio revisou para M7.4.[1][7] O mecanismo focal do terremoto mostrou que ele foi causado por falhas de escorregamento em falhas que tendiam aproximadamente a norte-sul ou a oeste-leste. Uma análise mais aprofundada das formas de onda sísmicas sugere que uma falha na tendência norte-sul oferece um melhor ajuste.

O tremor principal ocorreu às 18:02, horário local, durante o horário de pico. O tremor foi sentido tão longe quanto Samarinda, a capital de Kalimantan do Leste, a oeste e Macáçar no sul.[12] Também foi sentido em várias partes em Gorontalo, localizado no norte e também foi sentido em Tawau, na Malásia. Tremor violento foi relatado em Donggala e Palu. Blackouts ocorreram em toda a área e as telecomunicações caíram. A estatal Telkomsel informou que mais de 500 torres de comunicação sem fio foram danificadas pelo terremoto.[13]

As autoridades indonésias confirmaram que ninguém foi capaz de contatar uma única pessoa de Donggala, a cidade mais próxima do epicentro.[14] Contatos foram finalmente estabelecidos em 30 de setembro.

Réplicas

O terremoto principal foi seguido por uma série de réplicas, com 14 de M≥5,0 nas primeiras 24 horas.[15]

Intensidade

O terremoto foi sentido em uma área ampla. Agitação notável, variando de II-III, foi relatada em Samarinda, Macáçar e Tawau. O mais forte tremor foi sentido na Regência Donggala, onde uma intensidade máxima de IX (violenta). A intensidade máxima em Palu, a capital da província de Sulawesi Central, estava em VII (forte). De acordo com a Agência Indonésia para Avaliação e Aplicação de Tecnologia (BPPT), a energia liberada pelo terremoto foi 200 vezes maior que a liberada no bombardeio nuclear de 1945 em Hiroshima. A análise também mostrou que a linha costeira localizada perto da ruptura em Palu e Donggala teve uma diminuição em sua altura. Quedas de altura de 0,5 - 1 metro foram registradas, enquanto um aumento de altura de cerca de 0,3 cm foi registrado em Banawa.[16]

Tsunami

Um alerta de tsunami foi emitido em Palu e Donggala. Os avisos foram enviados via SMS, que foi enviado pelo Ministério da Comunicação e Informação da Indonésia. Os moradores de Donggala deviam esperar ondas de tsunami com altura de 0,5 a 3 metros, enquanto os moradores de Palu poderiam esperar ondas de tsunami com altura inferior a 0,5 metro.[7] O tsunami, no entanto, atingiu mais do que o esperado. Moradores de Palu relataram ondas com altura de mais de 2 metros, enquanto vários outros afirmaram que as ondas conseguiram chegar ao segundo andar.[17]

As autoridades indonésias calcularam o tempo estimado de chegada do tsunami. O cálculo sugere que o tsunami chegaria em Palu aproximadamente 20 minutos após o terremoto. Por volta das 17h27, hora local, a agência meteorológica de Mamuju detectou ondas de tsunami. O alerta de tsunami foi cancelado às 17:37.[4] No momento, o tsunami atingia Palu.

Como Palu está localizada no final de uma baía estreita, a força do tsunami foi intensificada quando as águas entraram. As autoridades confirmaram que as ondas que atingiram Palu tinham 5 metros de altura, com algumas chegando a 6 metros.

O tsunami pegou os geólogos de surpresa. Desde que o terremoto foi um terremoto de falha de deslizamento, era esperado que o tsunami estivesse a uma altura baixa, com uma altura máxima de aproximadamente 2 metros. Durante um terremoto de falha de deslizamento, os movimentos das crostas foram em grande parte em movimento horizontal, enquanto a maioria dos tsunamis ocorreu em terremotos com movimento vertical. Uma explicação é que o terremoto provocou deslizamentos submarinos, causando o tsunami.[4]

Danos

Presidente Joko Widodo em meio a escombros.

Em Palu, a capital de Celebes Central, uma mesquita[4] e uma parte importante do Hospital Antapura entraram em colapso. O Tatura Mall de Palu, um dos mais antigos centros comerciais de Palu, desmoronou, prendendo dezenas de pessoas.[18] Um hotel de oito andares, identificado como Roa-Roa Hotel, também desmoronou,[19] prendendo inúmeros convidados do hotel, vários dos quais participantes do festival anual de parapentes de Palu.[4] Na época do terremoto, 76 dos 80 quartos do hotel estavam ocupados.[20]

O Aeroporto Mutiara SIS Al-Jufrie, de Palu, foi forçado a fechar,[21] já que grandes rachaduras, uma das quais com 500 metros de comprimento, haviam se formado na pista. Oficiais do aeroporto confirmaram que o sistema de navegação foi danificado e a torre de controle do aeroporto entrou em colapso. Um controlador de tráfego aéreo, que estava assistindo à decolagem de um avião da Batik durante o terremoto, acabou morto.[17] O aeroporto foi reaberto para operação limitada em 29 de setembro de 2018. Centenas de passageiros ficaram presos no aeroporto. Operação normal retornada em serviço em 30 de setembro.[22]

Autoridades confirmaram que numerosos assentamentos e áreas residenciais, incluindo cerca de 66 mil casas[23], foram destruídas pelo terremoto e pelo tsunami.[24] O tsunami também causou grandes danos aos portos de Palu. No Porto Pantoloan, um guindaste de Quay entrou em colapso e foi varrido pelo tsunami. No Porto Wani, danos estruturais foram registrados, enquanto o Porto de Ogoamas se moveu 3 cm para a direita devido ao terremoto.[25]

Ponte Kining Ponulele, antes do sismo.

Autoridades confirmaram que a icónica ponte de Palu, a Ponte Kuning Ponulele, que também foi a primeira ponte em arco na Indonésia, foi destruída pelo terremoto e pelo tsunami que se seguiu.[26] Estradas de e para a cidade, conectando-a a Macáçar e Poso, também foram severamente danificadas. Houve também relatos de deslizamentos de terra.[27]

A comunicação com a área afetada foi severamente prejudicada, com o Presidente Joko Widodo sendo inicialmente incapaz de contatar o governador Longki Djanggola. Hospitais locais foram danificados, com o diretor do Hospital Palu Undata optando por tratar as vítimas fora do hospital e fez um apelo público para tendas, remédios, telas e enfermeiras. Um administrador de uma prisão em Palu informou que mais da metade de seus 560 prisioneiros fugiram em pânico quando as paredes da prisão desmoronaram.[28]

Imediatamente após o terremoto, prisioneiros da Penitenciária de Donggala, em Celebes Central, revoltaram-se e incendiaram a prisão, exigindo que fossem recebidos por suas famílias. Pelo menos 100 prisioneiros conseguiram escapar. A prisão teria sofrido danos graves.[29]

Maior liquefação do solo foi relatada na Regência Sigi, que fica localizada ao sul de Palu. Numerosas testemunhas oculares afirmaram que a quantidade total de líquido, que foi liberada pelo solo, era tão imensa que os edifícios e estruturas foram varridos.[4] Houve também relatos de que um povoado inteiro tenha desaparecido.

Referências

  1. a b c d e em.com.br (4 de outubro de 2018). «Número de mortos por terremoto e tsunami na Indonésia ultrapassa 1,5 mil». em.com.br. Consultado em 4 de outubro de 2018 
  2. https://www.unicef.org/press-releases/unicef-concerned-safety-thousands-children-indonesia-following-sulawesi-earthquake
  3. a b TSF (30 de setembro de 2018). «Não há indicação de portugueses vítimas do sismo e tsunami». TSF. Consultado em 30 de setembro de 2018 
  4. a b c d e f g Ruiz-Canela, Gaspar (1 de outubro de 2018). «Sistemas de Alerta Falharam Antes de Devastador Tsunami na Indonésia». Agência Brasil. Consultado em 2 de outubro de 2018 
  5. Minas, Estado de (4 de outubro de 2018). «Número de mortos por terremoto e tsunami na Indonésia ultrapassa 1,5 mil». Estado de Minas 
  6. «Na Indonésia, 1.200 presos escapam após terremoto seguido de tsunami». Folha de S.Paulo. 1 de outubro de 2018 
  7. a b c «Terremoto Atinge Ilha de Célebes e Provoca Tsunami da Indonésia». BBC. 28 de setembro de 2018. Consultado em 30 de setembro de 2018 
  8. Agência Brasil (28 de setembro de 2018). «Terremoto Atinge Ilha de Célebes e Provoca Tsunami da Indonésia». Agência Brasil. Consultado em 30 de setembro de 2018 
  9. Socquet A.; Simons W.; Vigny C.; McCaffrey R.; Subarya C.; Sarsito D.; Ambrosius B.; Spakman W. (2006). «Microblock rotations and fault coupling in SE Asia triple junction (Sulawesi, Indonesia) from GPS and earthquake slip vector data». Journal of Geophysical Research: Solid Earth. 111 (B8). doi:10.1029/2005JB003963 
  10. «Map of epicentres of mainshock and foreshocks». USGS 
  11. «Gempa di Donggala, 1 Orang Tewas, 10 Terluka dan Sejumlah Rumah Hancur». Kompas. Consultado em 29 de setembro de 2018 
  12. «BREAKING NEWS - Donggala Diguncang Gempa 7,7 SR, Getaran Terasa Hingga Samarinda dan Sangatta». Tribun News. Consultado em 29 de setembro de 2018 
  13. «Lebih dari 500 BTS di Palu dan Donggala Tak Berfungsi». Liputan6. Consultado em 29 de setembro de 2018 
  14. Media, Kompas Cyber (29 de setembro de 2018). «BMKG Masih Hilang Kontak dengan Donggala Pasca-gempa, Tim Tak Berhasil Masuk - Kompas.com». KOMPAS.com (em inglês) 
  15. USGS. «Map of epicentres of mainshock and aftershocks in first 24 hours». Consultado em 29 de setembro de 2018 
  16. «BPPT: Energi Gempa Donggala Setara 200 X Bom Atom Hiroshima». KOMPAS.com (em indonésio). 29 de setembro de 2018. Consultado em 29 de setembro de 2018 
  17. a b Correio 24 Horas (30 de setembro de 2018). «Passa de 800 o número de mortos na Indonésia após terremoto e tsunami». Correio 24 Horas. Consultado em 2 de outubro de 2018 
  18. «Gempa Bumi di Donggala, Mal Tatura Palu Dilaporkan Rubuh». Tribun News. Consultado em 29 de setembro de 2018 
  19. «3 Atlet Paralayang di Hotel Roa Roa Palu Saat Gempa, Tak Bisa Dikontak». Detik. Consultado em 29 de setembro de 2018 
  20. «Indonesia earthquake: At least 30 dead in Palu» (em inglês). BBC. Consultado em 29 de setembro de 2018 
  21. Lusa. «UE ativou sistema de mapas por satélite para apoiar autoridades indonesias». Agência Lusa. Consultado em 2 de outubro de 2018 
  22. «Aeroporto de Palu, cidade mais atingida por tsunami, é reaberto na Indonésia». UOL. 30 de setembro de 2018. Consultado em 2 de outubro de 2018 
  23. Minas, Estado de (4 de outubro de 2018). «Corrida contra o tempo na Indonésia e alerta para impacto do terremoto nas crianças». Estado de Minas 
  24. «Jaringan Telekomunikasi dan ATC di Palu Terputus Akibat Gempa» (em indonésio). Pikiran Rakyat. Consultado em 29 de setembro de 2018 
  25. «Sejumlah Pelabuhan Rusak Berat Akibat Gempa Bermagnitudo 7,4 di Palu» (em indonésio). Kompas. Consultado em 30 de setembro de 2018 
  26. Takahata, Elaine (1 de outubro de 2018). «Tsunami na Indonésia Deixa Mais de 800 Mortos». Consultado em 2 de outubro de 2018 
  27. «Terremoto na Indonésia matou 34 estudantes de teologia em Igreja». Estado de Minas. 2 de outubro de 2018. Consultado em 2 de outubro de 2018 
  28. «Tsunami death toll could rise into the thousands: Indonesian Vice President». ABC News. 29 de setembro de 2018. Consultado em 29 de setembro de 2018 
  29. Raira Rembi (1 de outubro de 2018). «Mais de 1 mil presidiários escapam após tsunami na Indonésia». Mídia Max. Consultado em 2 de outubro de 2018