Eliud Kipchoge

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Eliud Kipchoge
campeão olímpico
Kipchoge em 2015.
Atletismo
Modalidade 5000 m, maratona
Nascimento 5 de novembro de 1984 (33 anos)
Kapsisiywa, Quênia
Nacionalidade Quénia queniano
Conquistas
Maratona de Londres 2015 – 2016
Maratona de Chicago 2014
Maratona de Berlim 2015 - 2017 - 2018
Maratona de Roterdã 2014
Medalhas
Jogos Olímpicos
Ouro Rio 2016 maratona
Prata Pequim 2008 5000 m
Bronze Atenas 2004 5000 m
Campeonatos Mundiais
Ouro Paris 2003 5000 m
Prata Osaka 2007 5000 m
Campeonatos Mundiais – Indoor
Prata Moscou 2003 3000 m

Eliud Kipchoge (Kapsisiywa, 5 de novembro de 1984) é um fundista campeão olímpico e mundial queniano, especializado em provas de pista de longa distância e na maratona, e vencedor das maratonas de Londres, Chicago, Berlim e Roterdã. Tem o recorde mundial da Maratona conquistado em Berlim 2018 e é considerado o maior maratonista da atualidade.[1]

Carreira

Iniciando a carreira como corredor de pista e de cross-country, em 2003, aos 19 anos, venceu o Campeonato Mundial Júnior de Cross-Country, estabelecendo um novo recorde mundial para a categoria nos 5000 m e logo em seguida conquistou a medalha de ouro na mesma prova do Campeonato Mundial de Atletismo de Paris, entre os adultos, derrotando o recordista mundial dos 1500 m e futuro bicampeão olímpico Hicham El Guerrouj, do Marrocos, em cima da linha de chegada.[2] No ano seguinte, ficou com a medalha de bronze na prova nos Jogos de Atenas 2004.[3]

Em 2007 ele conquistou a medalhado de prata no Campeonato Mundial de Osaka, no Japão,[4] e no ano seguinte outra prata também nos 5000 m de Pequim 2008, sua segunda medalha olímpica.[5] Depois de participações em campeonatos mundiais sem medalhas e fracassar em conseguir uma vaga na equipe queniana para Londres 2012, Kipchoge fez a transição das pistas para as ruas e para distâncias mais longas, passando a disputar meias-maratonas e maratonas. Em 2012, estreou na distância dos 21,1 km na Meia-Maratona de Lille, na França, correndo em menos de uma hora – 59:25 – e conseguindo o terceiro lugar em sua estreia nesta prova.[6]

No início de 2013 ele venceu a Meia Maratona de Barcelona e em abril fez sua estreia na maratona, vencendo a Maratona de Hamburgo, com o tempo de 2:05:30, recorde do percurso alemão que se mantém até 2016, mais de dois minutos na frente do segundo colocado. Em setembro do mesmo ano disputou a Maratona de Berlim, melhorando sua marca em mais de um minuto para chegar em segundo lugar com 2:04:05, então o quinto melhor tempo em maratonas, atrás do compatriota Wilson Kipsang que na mesma prova estabeleceu um novo recorde mundial para a distância.[7]

O ano de 2014 marcou o começo do domínio absoluto de Kipchoge nas mais importantes maratonas do mundo pelos dois anos seguintes, sempre com tempos rapidíssimos, vencendo a Maratona de Roterdã (2:05:00, com vento contra)[8] e a Maratona de Chicago (2:04:11) neste ano,[9] a Maratona de Londres (2:04:42)[10] e a Maratona de Berlim (2:04:00) em 2015,[11] com uma segunda vitória consecutiva em Londres em 2016, quando venceu a prova em 2:03:05, sua melhor marca pessoal e a então oficialmente a terceira mais rápida da história da maratona.[12]

Consagrou-se definitivamente nos Jogos Olímpicos da Rio 2016 ao vencer a maratona com o tempo de 2:08:44.[13]

Em 6 de maio de 2017, Kipchoge participou de um evento da Nike no autódromo de Monza, na Itália, pelo qual ganhou um milhão de dólares. Para divulgar mundialmente o lançamento de seu novo tênis de corrida, o Nike Zoom Vaporfly Elite, a empresa montou um desafio para que maratonistas de elite escolhidos por ela tentassem quebrar a barreira das duas horas para a distância da maratona usando seu novo sapato. Ao lado de vários outros corredores também contratados, entre eles o recordista mundial da meia-maratona Zersenay Tadese, da Eritreia e o medalhista de prata na Rio 2016 Lelisa Desisa, da Etiópia, e cercado de coelhos, ele enfrentou o desafio e venceu a prova cobrindo a distância em 2:00:25, ficando a 26s do objetivo mas mesmo assim fazendo o tempo mais rápido já registrado para a distância dos 42,195 km. Esta marca, entretanto, por ter sido conseguida numa prova atípica, uma corrida de laboratório como foi chamada e sem ratificação oficial da distância, não é reconhecida pela IAAF, a Federação Internacional de Atletismo.[14]

Melhores marcas

Evento Marca Local País Data Ref.
5000 metros 12:46.5 Roma  Itália 2 de julho de 2004 [15]
10000 metros 26:49.0 Hengelo  Países Baixos 26 de maio de 2007
Meia Maratona 59:25 Lille  França 1 de setembro de 2012
Maratona 2:01:39 Berlim  Alemanha 16 de setembro de 2018

Ver também

Referências

  1. «REPORT: MEN'S MARATHON – RIO 2016 OLYMPIC GAMES». IAAF. Consultado em 26 de agosto de 2016. 
  2. «UNHERALDED KIPCHOGE SALVAGES KENYAN PRIDE». IAAF. Consultado em 26 de abril de 2016. 
  3. «Men 5000m Olympic Games Athens 2004». todor66. Consultado em 26 de abril de 2016. 
  4. «Athletics World Championship 2007 Osaka». todor66. Consultado em 26 de abril de 2016. 
  5. «Men 5000m Athletics Olympic Games 2008 Beijing». todor66. Consultado em 26 de abril de 2016. 
  6. «CHEBII CLOCKS 59:05 COURSE RECORD IN LILLE HALF MARATHON». IAAF. Consultado em 26 de abril de 2016. 
  7. «KIPSANG SETS WORLD RECORD OF 2:03:23 AT BERLIN MARATHON». IAAF. Consultado em 26 de abril de 2016. 
  8. «KIPCHOGE CLOCKS IMPRESSIVE 2:05:00 IN ROTTERDAM DESPITE WINDY CONDITIONS». IAAF. Consultado em 26 de abril de 2016. 
  9. «KENYAN DOUBLE FOR KIPCHOGE AND JEPTOO IN CHICAGO». IAAF. Consultado em 26 de abril de 2016. 
  10. «London Marathon 2015: Eliud Kipchoge takes men's race by surprise». The Guardian. Consultado em 26 de abril de 2016. 
  11. «Eliud Kipchoge runs world leading time of 2:04:00 while Gladys Cherono breaks the 2:20 barrier with 2:19:25». berlin-marathon.com. Consultado em 26 de abril de 2016. 
  12. «KIPCHOGE RUNS 2:03:05 TO WIN THE LONDON MARATHON, SECOND FASTEST TIME EVER». IAAF. Consultado em 26 de abril de 2016. 
  13. «MARATHON MEN THE XXXI OLYMPIC GAMES». IAAF. Consultado em 26 de agosto de 2016. 
  14. Werneck, José Inácio. «Esporte ou marketing?». Gazeta Esportiva. Consultado em 28 de junho de 2017. 
  15. «Personal bests». IAAF. Consultado em 1 de setembro de 2016.